Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2016 / 02 / Polícia Civil de Minas Gerais pede prisão de sete por rompimento de barragem em Mariana

homicídio qualificado

Polícia Civil de Minas Gerais pede prisão de sete por rompimento de barragem em Mariana

Entre os indiciados, está o presidente licenciado da Samarco (controladora da barragem), Ricardo Vescosi; pena pode variar de 15 a 41 anos de prisão
por Redação RBA publicado 23/02/2016 17h42
Entre os indiciados, está o presidente licenciado da Samarco (controladora da barragem), Ricardo Vescosi; pena pode variar de 15 a 41 anos de prisão
memória/ebc
mariana.jpg

O rompimento da barragem, que desencadeou a enxurrada de detritos, deixou 17 mortos e dois desaparecidos

São Paulo – Após mais de três meses de investigações e três prorrogações de prazos, a Polícia Civil de Minas Gerais apresentou hoje (23) o primeiro inquérito sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). O relatório veio em conjunto com o pedido de prisão preventiva para sete funcionários da empresa responsável pela tragédia, a mineradora Samarco.

Entre os indiciados está o presidente licenciado da empresa, Ricardo Vescosi. De acordo com informações de agências, os crimes apontados correspondem a homicídio qualificado (com dolo eventual), inundação e corrupção ou poluição de água potável. O inquérito corresponde à apuração de 19 homicídios em razão do desastre.

A pena para os possíveis sentenciados pelo crime de homicídio qualificado pode variar de 12 a 30 anos de reclusão, já para os outros delitos, inundação equivale de 3 a 6 anos e poluição de água potável, de 2 a 5 anos. Em entrevista coletiva, o delegado responsável, Rodrigo Bustamante, afirmou que todos os indiciados assumiram o risco do acidente e se omitiram após o rompimento da barragem.

Além de Vescosi, foram indiciados: Kléber Terra, diretor-geral de operações; Germano Lopes, gerente-geral de projetos; Wagner Alves, gerente de operações; Wanderson Silvério, coordenador técnico de planejamento e monitoramento; Daviely Rodrigues, gerente, e Samuel Paes Lourdes, engenheiro da empresa VogBR.

O inquérito da Polícia Civil apontou que a causa do desastre foi determinada pelo excesso de água nos rejeitos da barragem da Samarco. A empresa é controlada pela Vale e BHP Billiton. Além das mortes, a enxurrada de lama causou um estrago ambiental de grandes proporções na bacia do Rio Doce. Bustamante apontou o fato como “o maior desastre ambiental da história do país”.

Com agências