Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2016 / 02 / Polícia Civil adia de novo entrega do inquérito sobre desastre em Mariana

crimes ambientais

Polícia Civil adia de novo entrega do inquérito sobre desastre em Mariana

Delegado da Polícia Civil em Ouro Preto (MG), Rodrigo Bustamente, conseguiu mais 30 dias de prazo; é a terceira vez que a entrega foi adiada
por Maiana Diniz, da Agência Brasil publicado 15/02/2016 18h13
Delegado da Polícia Civil em Ouro Preto (MG), Rodrigo Bustamente, conseguiu mais 30 dias de prazo; é a terceira vez que a entrega foi adiada
Corpo de Bombeiros/MG - Divulgação
barragem_foto_corpo_de_bombeiros_06112015_006_mariana.jpg

Tragédia com a barragem da mineradora Samarco causou 17 mortes e deixou duas pessoas desaparecidas

Brasília – O delegado da Polícia Civil em Ouro Preto (MG), Rodrigo Bustamente, conseguiu mais 30 dias de prazo para apresentar o inquérito com a conclusão das investigações sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, no dia 5 de novembro. Essa é a terceira vez que a entrega do relatório é adiada. A conclusão da investigação estava prevista para hoje (15) e foi prorrogada com autorização da Justiça.

A tragédia com a barragem da mineradora Samarco, controlada pela Vale e BHP Billiton, causou 17 mortes e deixou duas pessoas desaparecidas. A enxurrada de lama de rejeitos de mineração também devastou municípios, afetou a fauna e a flora da região, destruiu o Rio Doce e prejudicou o abastecimento de água em cidades de Minas Gerais e do Espírito Santo.

O inquérito em andamento foi aberto dois dias após o rompimento da barragem e 80 pessoas foram ouvidas até o momento, segundo a assessoria da Polícia Civil. O inquérito que está sendo elaborado vai apurar as mortes, os crimes ambientais, os danos à propriedade privada e pública e outros crimes que sejam identificados.

A investigação da Polícia Civil corre em paralelo com a da Polícia Federal, que já indiciou dirigentes da Samarco e suas controladoras por crimes ambientais.