Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2015 / 10 / Estabelecimentos na Inglaterra começam a cobrar por sacolas de plástico

medida mundial

Estabelecimentos na Inglaterra começam a cobrar por sacolas de plástico

Intenção do governo inglês é diminuir quantidade de lixo produzido pelas sacolinhas. Custo será de R$ 0,30 por unidade; em São Paulo, preço médio é de R$ 0,08 por sacola
por Redação publicado 02/10/2015 12:15
Intenção do governo inglês é diminuir quantidade de lixo produzido pelas sacolinhas. Custo será de R$ 0,30 por unidade; em São Paulo, preço médio é de R$ 0,08 por sacola
Zainbu Razvi/FlickrCommons
sacoplastico.jpg

Dados governamentais indicaram que mais de 7,6 bilhões de sacolas plásticas foram utilizadas em 2014 no país

Opera Mundi – Qualquer loja que possua mais de 250 funcionários na Inglaterra começará a cobrar £ 0,05 (R$ 0,30) por unidade de sacolinha de plástico de uso único a partir da próxima segunda-feira (05). Em São Paulo, cidade brasileira onde medida semelhante foi adotada, cobra-se, em geral, R$ 0,08.

O governo inglês justificou a cobrança como uma tentativa de reduzir a quantidade de lixo produzido decorrente das sacolinhas. Dados governamentais indicaram que mais de 7,6 bilhões de sacolas plásticas foram utilizadas em 2014 no país.

Segundo estimativas, cobrar pelos sacos geraria uma diminuição de 80% em seu uso nos supermercados. Em dez anos, os benefícios previstos pelo governo decorrente da nova medida são uma economia de 60 milhões de libras (aproximadamente R$ 360 milhões) em limpeza pública, uma arrecadação de £ 730 milhões (R$ 4,38 bilhões) e um benefício total de £ 780 milhões (R$ 4,68 bilhões) para a economia do Reino Unido.

A medida, porém, pode não fazer diferença no comportamento dos consumidores devido ao baixo preço pelo qual serão vendidas. Um questionário aplicado pela organização de reciclagem Wrap, no ano passado, apontou que apenas 40% das pessoas que responderam ao questionário se sentiriam encorajadas a usar sacolas reutilizáveis com a nova cobrança.

Outro problema, colocado por Andy Cummins, da organização Surfers Against Sewage (Surfistas contra a Poluição, em tradução livre) ao The Guardian, é que a cobrança será aplicada apenas para sacolinhas de uso único - ou seja, cujo plástico tenha uma grossura máxima de 0,07 milímetros. Além disso, o consumidor nunca saberá se será cobrado pelos sacos em lojas que possuem menos de 250 funcionários.

Algumas redes de supermercados da Inglaterra, como a Tesco, Ocado e Sainsbury, realizarão campanhas para estimular o consumidor a não utilizar sacolas plásticas, como conceder mais pontos nos programas de fidelidade para aqueles que reaproveitarem suas sacolinhas.