Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2015 / 08 / Sabesp faz obra milionária para retirar água de rio que está seco

aridez

Sabesp faz obra milionária para retirar água de rio que está seco

Estado gastou quase R$ 29 milhões para captar água do rio Guaió, no Alto Tietê, mas o manancial está seco, e a obra não serviu para nada
por Redação RBA publicado 18/08/2015 12h23, última modificação 18/08/2015 14h50
Estado gastou quase R$ 29 milhões para captar água do rio Guaió, no Alto Tietê, mas o manancial está seco, e a obra não serviu para nada
reprodução/TVT
Guaió

Obra deveria servir para captar mil litros por segundo de água para reforçar fornecimento para a Grande SP

São Paulo – Há cerca de dois meses, a Sabesp inaugurou uma obra emergencial, no Alto Tietê, para retirar água do rio Guaió. A obra custou quase R$ 29 milhões para abastecer, e deveria complementar o abastecimento da região metropolitana de São Paulo no período de estiagem. O problema é que o rio está seco e a obra milionária, até agora, não serviu para nada.

A obra foi planejada para captar mil litros de água por segundo do rio Guaió. Foram construídos nove quilômetros de dutos para levar a água deste rio até a barragem da represa Taiaçupeba, em Suzano, no Alto Tietê.

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o superintendente de operações da Sabesp, Marco Antônio Lopes Barros, admitiu que a captação nem sequer começou, porque o rio está seco.

A reportagem da TVT constatou que, no local onde seria captada água, dá até para ver o leito do rio. Quem mora na região afirma que a situação piorou ainda mais depois que as obras começaram. "Antes das obras, (o nível) era mais alto.(...) Tinha até medo de entrar, era muito cheio", conta a dona de casa Aline do Carmo.

Em nota, a Sabesp disse que a obra para a retirada de água do rio Guaió foi planejada para reforçar o sistema de abastecimento, e que trabalha com a possibilidade de retirar menos água do manancial, em tempos de poucas chuvas.

Contudo, para retirar menos, ou até mais água é necessário que tenha quantidade suficiente para ser retirada e, pelo que a reportagem mostrou, não é esse o caso.

Confira a reportagem de Sandra Paulino para o Seu Jornal, da TVT:

registrado em: , ,